Ela conseguiu o emprego dos sonhos antes mesmo de terminar a faculdade

0

Um dos primeiros passos que um programador precisa dar para conseguir se destacar no mercado de tecnologia é migrar da mentalidade da eficiência para a da eficácia.

Fazer isso, muitas vezes, significa deixar de lado as inseguranças.

A gente precisa colocar a mão na massa – mesmo que seja mandando um currículo para uma vaga sem preencher todos os requisitos ou construindo um pequeno projeto enquanto aprende uma nova ferramenta.

Sei que essa mudança na forma de enxergar o nosso trabalho pode parecer bem difícil, mas eu tive o prazer de acompanhar o impacto positivo dessa ação na Eduarda Goulart – uma querida amiga que conseguiu descolar o emprego dos sonhos (trabalhando home office em uma empresa bacana) antes mesmo de terminar a faculdade.

Calma… Já vou desenrolar essa história.

A Duda tem 21 anos e vive em São João del Rei, município de cerca de 90 mil habitantes, em Minas Gerais. Ela cursa ciência da computação e sempre esteve muito focada em estudar todos assuntos da faculdade e em fazer uma porrada de cursos adicionais.

Isso é negativo? De forma nenhuma…

Mas esse lance de estudar, estudar e estudar pode se transformar em uma grande cilada para quem ainda não tem experiência e quer entrar no mercado.

A Duda, por exemplo, focava tanto nos estudos que acabava esquecendo de pensar como ela poderia aplicar esse conhecimento para resolver os problemas reais das pessoas. Por causa disso, surgia aquela sensação de não estar fazendo progresso e nem aprendendo as coisas de verdade.

Depois que ela se aproximou da rede do Welcome to the Django, ela percebeu que apenas estudar e fazer cursos não funcionava – ela estava jogando tempo e dinheiro no lixo. Era necessário partir para a ação, botar o que estava aprendendo em prática.

“Eu vi que tinha que me propor um desafio sobre o assunto para conseguir aprender de verdade” – conta ela.

Animada por essa descoberta, ela decidiu seguir o conselho da galera: TESTE O MERCADO.

Mesmo sem ter tanta experiência profissional e sem cumprir todos os requisitos anunciados pelas vagas, ela começou a se jogar nas oportunidades e a participar dos processos seletivos.

Seu conhecimento pessoal, as coisas que aprendeu no estágio e o portfólio que montou no Github a ajudaram a dar um UP no currículo.

A comunidade do WTTD, por sua vez, se encarregou de dar forças pra ela, e com isso, pouco tempo depois ela conseguiu descolar um emprego home office, como sempre quis.

A história da Duda revelou 3 sacadas essenciais para qualquer profissional que não tem muita experiência conseguir descolar um trampo que se encaixe no seu propósito.

São essas sacadas que você vai conhecer no texto abaixo:

Sacada #1: Quem não tem cão caça com gato

No alt text provided for this image

Antes da conquista do primeiro emprego, Duda levou alguns nãos e se deparou com algumas vagas muito ruins. É preciso ter em mente que essa fase é inevitável, porque se você começa a achar o problema está com você, o desânimo bate e o processo trava. 

Ao testar o mercado, ela viu que a maioria das empresas que oferecia trampos na área de Data Science (que era o seu objetivo principal) pedia muitos anos de experiência ou doutorado. Mas a grande sacada é que ela não se prendeu ao ideal, ela começou pelo possível.

Saber negociar é fundamental pra quem quer testar o mercado.

Se o mercado de Data Science é exigente, você já tentou várias vezes e não conseguiu, procura começar com uma área bem próxima para ganhar experiência e chegar aonde quer.

Baby Steps, se lembra?

É preciso dar o primeiro passo.

No caso da Duda, ela precisou ampliar as suas opções de busca. Quando fez isso, ela se encaixou no cargo de Data Engineer, que trabalha de mãos dadas com Data Science.

Sacada #2: Foque no que as empresas pedem 

No alt text provided for this image

Cada entrevista é uma oportunidade de observar o que as empresas estão pedindo para a área que se busca. Na área de análise de dados, Duda percebeu que os itens mais cobrados eram pandas e banco de dados.

“Nesse ponto, conhecer o Django foi muito útil, pois eu tive facilidade com a tecnologia e pude utilizar ferramentas como o Django Rest para fazer API navegável na web”, – revela.

As entrevistas costumam ser bem diversificadas, mas é muito comum que os empregadores queiram saber se o candidato já fez alguma contribuição Open Source e de qual projeto se orgulha mais.

Essa é uma dica matadora: Se você ainda não tem o que as empresa estão cobrando, se organize, corra atrás e tente se desenvolver para as próximas seleções.

É aí que começam a fazer diferença os cursos e tutoriais que você fez, e principalmente o network.

Sacada #3: Aproxime-se das pessoas, leve-as do barzinho para a vida

No alt text provided for this image

A sacada que mais mexeu comigo de toda essa experiência de Duda foi a da importância do networking. Todo esse caminho que ela percorreu começou a ser traçado em uma mesa de bar.

Isso mesmo, em uma mesa de bar…

Foi no intervalo da Python Brasil, em Belo Horizonte, que Duda me conheceu e aceitou o convite para embarcar no Welcome to The Django.

Essa é outra parada importante: a Duda entrou no curso, mas não fez dele uma Netflix.

Ela participava da interação no fórum, compartilhava seus planos, pedia dicas da galera…

E isso faz toda a diferença!

Se aproximar de pessoas que fazem o que você deseja fazer é essencial para ter mais confiança no que você está aprendendo. Você vai estar ali, vendo os desafios que a pessoa enfrenta, se aprofundando nos processos e descobrindo como evitar os principais erros e ciladas.

“O networking é a coisa que mais muda a sua mente e perspectiva. Ele te dá ideias e gás para trabalhar e estudar”, explica Duda.

Ser membro de uma comunidade com alto grau de confiança, interação e respeito mútuo é um dos pontos mais atraentes do WTTD. Aqui dentro do nosso hackerspace existem centenas de pessoas inquietas que estão usando o poder da tecnologia para criar mercados que se adaptem às suas necessidades.

Tem muita gente se dando bem na carreira de freelancer, tem muita gente morando no Brasil e trabalhando para a gringa (ganhando em dólar ou euro), tem muita gente que se organizou e virou nômade digital…

Os caminhos para quem deseja conquistar o mercado são inúmeros!

Se você também sonha em trabalhar com mais liberdade, conquistar aquela vaga dos sonhos, além de fazer parte dessa comunidade fenomenal, não perca a chance de fazer parte do Welcome to the Django.

Vai ser um prazer ter você crescendo com a gente.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.