Pense como um programador: 6 dicas para você triplicar sua produtividade

Para ter produtividade, você não precisa trabalhar por longas horas. Neste artigo, vou te dar 6 dicas práticas de como usar o pensamento computacional para ser três vezes mais produtivo.

0

Produtividade te permite usar o mínimo de recursos para obter o máximo de resultados. Eu sei que isso parece papo de consultor corporativo, mas é algo que muito além. Vou te explicar melhor.

Ser mais produtivo vai te permitir aproveitar melhor um dos bens mais preciosos que existem: o seu tempo.

Quando você consegue se organizar e usar ferramentas para otimizar seus resultados, isso vai te libertar para que você possa fazer o que realmente é importante na sua vida: aproveitar sua família, viajar, ler, sair com amigos e tudo que de fato te faz feliz.

Na minha jornada, conheci algo que me ajudou muito a multiplicar minha produtividade, que foi a programação. E não estou falando da parte técnica, de linguagens ou hardwares…

O que mais me ajudou foi aprender a pensar como um programador.

Mas o isso significa? Pensar como um programador é usar a tecnologia como extensão das suas capacidades. É uma forma que você tem de usar o digital para resolver problemas e alcançar seus objetivos.

Neste artigo, vou compartilhar com você 6 dicas práticas para você triplicar sua produtividade e programar sua vida e sua carreira da forma que você quiser.

# 1 Identifique suas restrições

Um grande amigo meu, que é designer, me ensinou que a criatividade nasce das restrições. Por isso, o primeiro passo para se tornar mais produtivo é identificar quais são as pedras no seu caminho, quais são os ladrões do seu tempo.
Quando você tem clareza dos problemas que quer resolver, você pode pensar nos melhores caminhos para contorná-los.

Essa é basicamente a rotina de um programador. Ele identifica bugs e defeitos e lança mão da tecnologia para tentar resolvê-los. Mas as ferramentas são só um meio para chegar a um objetivo.

O pulo do gato não está no digital. Está na criatividade, na forma de pensar. Isso nos leva ao nosso segundo ensinamento.

#2 Desenvolva sua fluência digital

Fluência digital é a capacidade de se expressar no ambiente tecnológico. É a forma como você entende o fluxo lógico de cada ferramenta e usa isso para se expressar mais e melhor.

Para isso, você não precisa conhecer os comandos e as linguagens, você só tem que saber descrever o problema e definir onde quer chegar. Quando você desenvolve essa competência, pode trabalhar junto com alguém da área de TI para criar uma solução para lidar com a restrição que está no seu caminho.

Já em 1974, o pesquisador canadense Marshall Macluhan dizia que a tecnologia é uma extensão dos seres humanos. Em outras palavras, ter fluência digital te permite usar o que a programação te oferece para ampliar sua produtividade no trabalho.

Veja o caso do Marcos Gabaldo, um dos membros da comunidade do WTTD. Ele acompanhava todos os dias o trabalho de dois colegas que mexiam com planilhas de pagamento. Em meia hora, a dupla conseguia fazer apenas dois lançamentos.

Vendo aquilo ele decidiu usar a programação para dar fim àquela perda de tempo absurda. Ele criou um código simples, que puxava as informações das planilhas de forma automatizada. O resultado é que o que dois colegas demoravam um mês para fazer, ele fez em 5 minutos.

Isso mostra que a tecnologia é só um meio para potencializar nossos talentos e nos ajudar a programar a vida da forma como desejamos.

#3 Use o poder da comunidade

Duas cabeças pensam melhor do que uma. Quando você interage com outras pessoas, você amplia o número de caminhos possíveis. Além disso, também consegue multiplicar suas habilidades.

A comunidade pode ampliar sua produtividade, porque lá você vai estar perto da galera que já fez o que você quer fazer. Eles vão te mostrar os atalhos e te ajudar a economizar tempo. Vão acelerar seu aprendizado.

Um grande exemplo disso é o Luiz Olímpio. Ele queria criar um sistema para o mercado da família, mas não sabia nem por onde começar.

Por meio da interação com a comunidade, ele foi descobrindo os caminhos. Isso permitiu que, em poucos meses, ele construísse do zero um sistema para sua empresa. Se ele tivesse tentando fazer tudo sozinho, teria perdido muito tempo.

Quando você se conecta com as pessoas, cria relações do tipo ganha-ganha-ganha, nas quais ganham você, o outro e todo o ecossistema ao seu redor. Assim, você impulsiona a competitividade sistêmica.

#4 Aprenda a diferenciar produtividade de ocupação

Ser produtivo é diferente de ter um monte de coisas para fazer. Se você tem uma lista enorme de atividades para fazer, você não é produtivo – é ocupado.

Produtividade não significa trabalhar 18 horas por dia. Muito pelo contrário. Na minha visão, ela está relacionada a um processo de expansão de eliminação das privações e ampliação das liberdades.

Ser mais produtivo é usar o mínimo de insumo para obter o máximo de resultado. Nesse sentido, trabalho é só mais um insumo. É um recurso que você utiliza para alcançar um objetivo.

No mercado de TI, é muito comum encontrar programadores que colecionam horas-extras. Isso é na verdade um sinal de improdutividade. É um desperdício de talento.

Isso acontece, porque muitas empresas tratam os empregados como executores de demandas, e não como solucionadores de problemas. Isso nos leva à próxima dica.

#5 Valorize mais a eficácia do que eficiência

De nada adianta você andar rápido, se estiver indo para o lado errado. É isso que acontece com quem valoriza a eficiência em detrimento da eficácia.

É por isso que sempre digo que tempo e eficácia são mais importantes do que volume e eficiência. O seu objetivo não deve ser fazer milhares de entregas…

Deve ser encontrar a solução mais efetiva o mais rápido possível, desperdiçando o mínimo de recursos no caminho.

Agindo dessa forma, além de se tornar mais produtivo, você vai conseguir trabalhar em algo que realmente ajuda outras pessoas. Isso tem um impacto real na sua motivação.

Isso te permite criar relações mais saudáveis, pois você está de fato criando valor para sua rede e para o ecossistema como um todo.

#6 Cultive sua autonomia

Como te falei lá atrás, produtividade só tem valor se te ajudar a ter mais autonomia. E a tecnologia é dos melhores meios que existem para atingir esse objetivo.

Na minha carreira de programador, aprendi que tecnologia é a sistematização de qualquer conhecimento humano aplicado à vida prática.

Para usá-la da melhor forma possível, você tem de tomar as rédeas da sua vida. Quando você delega a responsabilidade do seu trabalho para outra pessoa, você está escolhendo não ter autonomia. Você abre mão de ter o controle da sua agenda.

Quando você assume o protagonismo da sua jornada, isso te permite focar no que realmente importante. Com isso, você vai conseguir fugir das chatices do dia a dia que roubam seu tempo e te deixam improdutivo.

Além disso, quando você desenvolve sua autonomia, sua vida tem muito mais sentido. Isso vai te deixar muito mais realizado e feliz.

Aprenda a pensar como um programador

Se o que te falei aqui fez sentido para você, queria te fazer um convite especial. Eu desenvolvi um curso para quem quer desenvolver a fluência digital e aprender a pensar como um programador. É o Porta Lógica.

Se você quiser saber mais sobre o curso, basta deixar seu melhor e-mail no formulário aqui embaixo, que eu te mando todas as informações em primeira mão.

 

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.