Como fazemos Tech Review na Myfreecomm

2

Meu amigo André Fonseca escreveu sobre revisores de código no seu blog. Realmente colocar um revisor no final do processo é problemático. A coisa se complica quando surge na empresa um gargalo com poder de veto sobre o que foi desenvolvido.

Revisão de código funciona bem durante o processo. Aqui na Myfreecomm, sempre que o nível de incerteza sobre um problema ou abordagem é considerado alto, nós fazemos o que chamamos de Tech Review.

O processo consiste em duas etapas:

A primeira é o tradicional rabisco no quadro branco onde um desenvolvedor apresenta sua proposta para os outros que o ajudam à refiná-la. Assim, a Equipe define um glossário, explora alguns conceitos e concebe a estratégia para atacar o problema.

A segunda acontece no final do sprint, quando é feita uma demo técnica que passa inclusive pelo código. O detalhe é que, tendo combinado antes como atacaríamos o problema, esta apresentação acaba trazendo para o grupo os pontos fortes e fracos das escolhas, evidenciando dificuldades e sugerindo melhores caminhos. Neste momento, vendo o código, é quando convenções e melhorias nos padrões e processos são percebidas e consideradas.

Pessoalmente, acho o Tech Review excelente. Principalmente porque evitamos a criação de ilhas de conhecimento, além de aproveitarmos o fato de nossa Equipe ser formada por desenvolvedores com experiências distintas. Com este processo, temos observado que:

  • Evitamos a corrida ao código;
  • Aproveitamos ao máximo a capacidade criativa e experiências do time;
  • Alinhamos as expectativas quanto ao que será desenvolvido;
  • Evitamos falhas de design;
  • Compreendemos melhor o problema a ser resolvido;

O segredo para um Tech Review bem sucedido está na sua motivação. A intenção é disseminar conhecimento para todo o time. Como a estratégia havia sido delineada anteriormente, o que acontece é uma saudável troca de conhecimento, deixando longe a famigerada caça às bruxas e CYA.

[]’s!

você pode gostar também