4 cuidados essenciais que você deve tomar antes de largar o emprego para começar um negócio

Muita gente, quando começa a desenvolver sua autonomia, tem vontade de largar o emprego e abrir um negócio. Porém, se essa decisão não for bem pensada, o efeito pode ser o oposto. Você pode acabar virando prisioneiro dos efeitos de um movimento descuidado.
Eu larguei um trampo para criar minha própria empresa. Foi um processo gradual: comecei a testar o mercado, reduzi minha carga horária no trabalho e fui fazendo ajustes até me desprender totalmente.
Apesar dos perrengues naturais do processo, consegui chegar onde desejava. Por isso, quero compartilhar com vocês quatro dicas importantes para te ajudar a trilhar seu caminho com mais segurança. Também quero te fazer um convite especial.

#1 Teste o mercado antes

Antes de meter as caras e pedir as contas na empresa em que trabalha, você deve testar o mercado. Você pode fazer isso trabalhando como freelancer no tempo livre.
Essa estratégia vai te permitir entender se há demanda pelos serviços que você oferece.  Isso vai ser o seu MVP – mínimo produto viável. É como se fosse uma demo do seu futuro negócio.
Aqui você vai usar a técnica do baby steps. Em vez de querer montar uma estrutura empresarial gigante, você vai fazendo aos poucos, um passo por vez. Isso vai te ajudar a amadurecer e a entender o seu perfil como empreendedor.
O desafio do início do processo é aprender, mudar seus padrões comportamentais e descobrir um universo de coisas que você não sabia que não sabia.
Testando o mercado, você também vai receber feedbacks que vão te ajudar a melhorar sua oferta e também vai conseguir levantar uma grana que vai servir como um colchão de segurança quando você for pra vera mesmo. Isso nos leva ao segundo ponto.

#2 Tenha uma reserva financeira

No mercado, há riscos e instabilidades. Viver, em geral, é arriscado. Mesmo como funcionário, há riscos de mudanças repentinas. Por isso, é prudente que você tenha uma reserva que vai te permitir segurar as pontas por, pelo menos, seis meses caso dê alguma merda (eu era tão cagão que apertei o cinto e reduzi custos ao máximo para reserva durar 1 ano).
Além disso, é importante que você opere da maneira mais enxuta possível para otimizar o uso do dinheiro. Então, nada de ser megalomaníaco e querer construir uma megacorporação em dois meses.
É preciso lembrar que, dependendo do tipo de empresa que você for abrir, é necessário aportar um capital inicial.  Assim, a dica é, na medida do possível, evite dar um salto no vazio.
Dívidas de consumo desnecessárias são verdadeiras assassinas de autonomia e bem-estar.

#3 Esqueça o mindset de funcionário

Como já falei em outro artigo, a maioria das empresas quebra porque o dono não se vê como um custo. Ele mantém aquela cabeça de funcionário e passa a sugar a grana do caixa do negócio.
Nesse sentido, é fundamental que você busque desenvolver um mindset empreendedor. Além de se olhar com mais cuidado para a gestão, também é importante ter uma postura proativa e deixar de ser um executor de demandas para se tornar um solucionador de problemas.
Você precisa vender.  Negócio que não vende quebra. Aqui vale um lembrete: a grana só é sua, quando estiver no seu bolso. A venda só termina quando você recebe o pagamento.
O melhor de tudo é que, se você tomou o cuidado de testar o mercado antes, é bem possível que você já tenha uma carteira de clientes na hora que for de fato abrir sua empresa.
Em resumo, acabar com mindset de funcionário significa: a) separar a pessoa física da pessoa jurídica, entender e controlar seus custos; b) ter uma postura proativa e ser um solucionador de problemas; c) garantir que tem dinheiro dos clientes entrando no caixa todo mês.

#4 Se der errado, não tenha vergonha de dar um passo atrás

Mesmo que você tome todos os cuidados do mundo, shit happens – merdas acontecem. Algo que você não previa aconteceu, um cliente importante te deu um calote, você calculou mal sua reserva. Enfim, é impossível controlar e prever todas as variáveis.
Se as coisas saírem muito dos trilhos, avalie com cuidado e não tenha vergonha de dar um passo atrás. Se você está no caminho errado, continuar andando vai só piorar as coisas.
O negócio pode quebrar sem quebrar a família. Muita gente empreende no modo kamikaze, apostando todas as fichas. Isso gera uma pressão animal nas relações familiares e no emocional.
Ninguém pode te dizer quando e se é de fato hora de parar. Você tem que se conhecer e olhar para sua vida para tomar a melhor decisão possível. Mas lembre-se: você sempre terá uma segunda, terceira, quarta chance.
Se o negócio não der certo, a experiência terá te fortalecido pra tentar melhor mais na frente.
Na última hacktalk, o Alisson, que é um empreendedor bem-sucedido, disse que abriu cinco empresas e só uma sobreviveu para contar história. Fechar não é o fim do mundo, desde que você tenha a capacidade de aprender com seus erros.

Empreenda sem medo

Se o que eu falei aqui fez sentido, você não pode ficar de fora do Eu Empresa – um programa completo que vai te ajudar a entender suas forças e fraquezas, dominar o que existe por trás da sopa de letrinhas do governo, aprender como se relacionar com o mercado e te fornecer as ferramentas e conhecimentos necessários para criar um negócio sustentável que te permita ter autonomia. 
Clique aqui e conheça todos os detalhes desta jornada de transformação!
Te espero lá!
Grande Abraço, HB!

COMPARTILHE ESTE ARTIGO

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *