Você acha que tem tempo? Achou errado, otário!

21

 

Eu adoro esse bordão do Choque de Cultura porque ele faz exatamente o que o nome diz: dá um choque. E o choque nesse texto é que a vida é foda.

Sábado, dia 09 de dezembro de 2017 foi um dia maravilhoso com uma noite tenebrosa. Eu estava apreensivo porque havia alterado o formato daquela edição do Autonomize-se, o encontro presencial que reúne membros do Welcome to the Django que desejam eliminar os obstáculos para sua própria autonomia.

Galera no Autonomize-se edição 2017-2.

Se de um lado eu sentia o natural receio do desconhecido, do outro eu tinha a confiança de que não poderia estar melhor acompanhado naquele momento. A minha equipe reunia Gustavo Coelho, Cristiane Monteiro, Janaína Toscan, Evelin Laureane e André Lombardi.

Foi graças ao trabalho conjunto desse time combinado com o engajamento dos participantes, que essa edição do Autonomize-se foi a melhor de todas. Tudo fluiu muito bem, e todos os participantes saíram com seus planos de ação. Os feedbacks que estamos recebendo estão maravilhosos.

No evento, eu fiz uma apresentação sobre o que chamo de autonomia, e como sempre ocorre, eu mencionei o Oswaldo Oliveira, meu grande amigo e pai do André, que se tornou um grande amigo e por isso estava lá comigo.

Foto do Oswaldo Oliveira
Oswaldo Oliveira

Durante o dia, André não estava se sentindo bem e ao fim do evento foi pra minha casa descansar. Como é a tradição, eu fui para o bar com a galera do evento e estava começando a engrenar as conversas. Mas tive que sair correndo… Minha esposa me ligou dizendo que o André estava muito nervoso, pois algo havia acontecido com o Oswaldo.

Peguei o primeiro táxi que apareceu e no caminho usei a rede pra me conectar com as pessoas próximas em São Paulo pra chegar já na atividade, ajudando no que eu pudesse. A informações eram truncadas, mas estava claro que o prognóstico não era bom. Levou a noite toda para termos a confirmação do falecimento do “Oswaldão”.

Passei a madrugada dando atenção para o André enquanto ele coordenava a família. Conseguimos um voo para SP às 5h da manhã e às 3h eu levei ele no aeroporto do Galeão.

Voltei pra casa e não consegui dormir.

Fechava os olhos e via a risada sacana daquele filho da puta que mudou a minha vida apenas por ser meu amigo. Ele explicava a força da amizade e afinidade dizendo:

Boi preto cheira boi preto, ‘Henriquitcho’.

Os inquietos perambulam pelo mundo buscando os seus.

É impossível passar por um acontecimento desses e não refletir. Mas parando para pensar na vida, a conta não fecha.

São muitos os obstáculos na busca por autonomia. Existem questões emocionais, pessoais, práticas, de relacionamento, profissionais, etc. O desafio é lidar com toda a complexidade da vida enfrentando medos, culpas, fazendo escolhas difíceis e todas as inúmeras ações necessárias para ir rumo ao desconhecido para construir o que se deseja.

No caminho, são incontáveis as histórias de problemas com procrastinação, com motivação, problemas com grana, problemas com chefe… problemas.

As desculpas são muitas. Mas será que há tempo pra isso? Não. E a urgência de viver fica ainda mais evidente quando penso no Oswaldo.

Oswaldo é a pessoa que conheço que mais fez!

Ele fez de tudo. Sempre saiu fazendo. Nunca procrastinava. Sempre encarava as coisas de frente. Era foda acompanhar o ritmo dele. Sempre vendo lá na frente com tanta clareza que nunca esperava. Apenas fazia.

E quando alguém perguntava:

– Mas o que você faz?

Ele sempre respondia:

– Faço o que posso!

A reflexão e o exemplo que ficam com a saudade, é que a vida simplesmente acontece.

Não há tempo pra esperar. A energia gasta procrastinando ou “se preparando”, é energia que não está sendo empregada no viver.

Viva! O.G.E.! Oge! Mas não faltam letras aí? Faltam. Na vida sempre vai faltar algo. Principalmente tempo. Então você tá esperando o que?

É com esse movimento que levarei comigo o carinho pelo meu amigo.

Este não é um texto para gerar tristeza, mas sim pra botar fogo no rabo de geral pra que a gente se mexa agora. Bora superar aquele limite! Bora abrir mão daquilo que não serve mais! Bora fazer! Bora viver! Bora!

 


Imagem originalmente postada em MateoArnaiz.com

você pode gostar também