Autonomia & Tecnologia

Profissionais web precisam ser plurais!

12

As discussões sobre novas “especializações” no desenvolvimento web tem sido cada vez mais frequentes. A evolução constante da web parece de tempos em tempos, rearranjar o mercado. Com isso muita gente acaba despendendo energia na busca de um framework ou uma ferramenta que lhes forneça uma resposta para todas as perguntas.

Alguém que se proponha trabalhar com web e se amarra em apenas uma forma de fazer tudo, IMNHO está equivocado em essência.

A web é pautada em um protocolo (HTTP) simples para ser global. Esse protocolo, por sua vez, é um em uma multiplicidade de camadas (de rede). Sobre este protocolo, múltiplos clientes (browsers) interagem e co-existem. Paralelamente, múltiplas linguagens, com múltiplos paradigmas, em multi-plataformas, suportando múltiplos idiomas, são combinadas em sistemas que possuem múltiplas camadas e múltiplos elementos (imagens, css, js, html, etc). Ou seja, a web é um ecossistema! É plural por definição.

Essa angústia ou pretensão de encontrar o Santo Graal das ferramentas para resolver tudo, gera todo tipo de distorção sem noção no mercado. Gera desde sistemas com “vícios” e “cacoetes”, até “cargos” como “programador frontend” que não precisa saber nada além de html e javascript, ou “web designer” que é incapaz de interagir via html e css com o browser que é sua mídia alvo, ou “programador backend” que se limita à criar classes e fazer consultas em banco, mas não interage nem com a camada cliente, nem com a infraestrutura de distribuição da aplicação.

Tudo isso gera desperdícios incalculáveis, que inviabilizam qualquer desenvolvimento sustentável e ancoram os profissionais de tecnologia, que são profissionais criativos em essência, ao status de commodities.

Já ouvi algumas pessoas argumentarem: “Blasfêmia! Isso é loucura! Não se faz uma equipe só com generalistas. É preciso se especializar!”

Como diria o Rei Leônidas, loucura é contratar um “especialista” que não tenha um conhecimento geral sólido o suficiente para também ser considerado um “generalista”. Esse tipo de profissional é incapaz de tomar decisões pautadas no contexto do projeto. Esse cara vai sempre ficar com foco na tecnologia e vai martelar o problema para que ele encaixe de qualquer jeito na solução que ele tem para oferecer.

Quem trabalha com web, não precisa saber tudo (isso é impossível). Mas deve ter disposição (e curiosidade) para aprender tudo!

[]’s, HB!

você pode gostar também
  • Excelente Henrique, ou melhor, Totalmente excelente! Parabéns pelo texto! Se encaixou perfeitamente ao tema.

    Abs!

  • Não dá para transformar o desenvolvimento web em linha de produção, pois a criatividade do profissional pode ficar coagida e prejudicar o projeto inteiro, é preciso ter liberdade para criar.

  • o especializar sem conhecer o restante é perigo. Já vi e vivi um projeto que deu errado, pq determinado especialista chamou o projeto para sua tecnologia de domínio ao qual não era a que melhor se encaixava para o problema.

  • Pingback: [Review] Nao me faça pensar! Uma Abordagem de Bom Senso À Usabilidade na Web | Planeta Globo.com()

  • Tarsis Azevedo

    Concordo plenamente Henrique. Hoje eu busco conhecimento em varias areas com as quais trabalho, como client, server, design, e usabilida pra web. Penso que todos os desenvolvedores devem ter noçao de como essas areas funcionam para se tornarem melhores.

  • Já tinha dito na django-brasil e repito agora: o post foi ótimo.

    Fica faltando no seu blog um Google+ e um Like para que a gente compartilhe rapidamente.

  • Perfeito!

  • Concordo plenamente. O que parece, inclusive, é que muita gente se relaciona quase que religiosamente com determinado framework, ferramenta ou tecnologia. Tudo bem você preferir X ao invés de Y, porém alienar-se no seu “grupo de usuários” e considerar o resto do mundo um lixo, ou menos “cool” que o seu grupo/tribo realmente são atitudes totalmente reprováveis. Parece que vivemos em uma especialização da mente, da capacidade de pensar, não somente no âmbito profissional.

  • s/designer/designar/

  • Concordo plenamente, trabalhar com web é ter que lidar com diferentes tecnologias.

    Eu ainda deixo muito a desejar na parte de css (mas quero melhorar), javacript, html são coisas do dia a dia.

    Na minha visão, o ‘backend developer’ tem que saber lidar com html/javascript com certeza. Normalmente uso o termo ‘backend developer’ pra designer o que faço, porque é onde tenho mais experiência, e como disse antes, pra mim isso inclui javascript/html, talvez deva mudar o termo pra não causar confusão.. rs

    []s
    Fernando Rocha

  • F.Norte

    Conhecer de tudo, é importante sim, e deve ser valorizado. Um profissional de desenvolvimento web deve ser capaz de realizar bem todos os aspectos.
    Porém a divisão de responsabilidades entre: design, interface e backend, pode ser importante dentro de uma empresa que procura ter eficiência. Porém esses três profissionais não podem trabalhar independentes e isolados, como muitas empresas o fazem. É de suma importância que mesmo que haja tais especialidades em um projeto, e que o foco desses profissionais se atenham a essas específicações, eles devem conhecer bem a área de cada um para que possam auxiliar no desenvolvimento completo de uma aplicação que será única e integral. O conhecimento de outros expertises auxilia no entedimento do que precisa ser realizado como um todo, e muitas vezes um pode (e deve) dar sugestões e alertar para as competências do outro.

  • Em resumo: nada de errado em se especializar em algo, o problema é ser especialista e esquecer o resto da cadeia e ficar focado só no seu mundinho pequeno. Você deve entender pelo menos um pouco de tudo pra enxergar o quadro por completo.