Uma breve história da comunidade

Onde há pessoas, pode haver comunidade! Ainda assim eu sempre ouço desculpas como: “na minha cidade não tem programadores”, “na minha cidade as pessoas não curtem eventos”, e muitos outros mimimis que as pessoas contam para si mesmas justificando a inércia.

Se tem uma coisa que eu aprendi e mudou completamente a minha vida é que sozinho é muito mais difícil. Juntos, mas sempre um à um, cada um do seu jeito, a interação cria oportunidades inacreditáveis.

Em 2014 eu me reuni com alguns grandes amigos que conheci logo quando comecei a me envolver com eventos e comunidades. Naquela época gravamos um episódio de um podcast que nunca foi ao ar.

Organizando meus arquivos antigos, esbarrei com essa relíquia. A gravação de uma conversa sensacional onde lembramos dos velhos tempos, de várias histórias e muitos causos curiosos que certamente podem inspirar qualquer pessoa que deseja fazer acontecer na sua cidade.

Pessoalmente, as dinâmicas de comunidades e redes, com foco exclusivo em pessoas, e nunca em tecnologias ou qualquer parâmetro de separação, foi um divisor de águas na minha vida. Sou e serei eternamente grato por cada uma das pessoas com quem pude interagir até aqui, e fico bastante curioso e animado pelo que ainda virá pela frente.

O risco é não interagir!

Eu me diverti muito ouvindo o papo! Tenho certeza que você vai curtir também!

Um brinde à cada um de vocês!

  • Incrível como eu acompanhei esses eventos, estive nos mesmos lugares (show do Iron, FISL), conheci alguns de vocês na época, mas sei lá porque porras não me aproximei e fiquei em outros grupos.

    Mas é isso aí, o risco é não interagir!
    Hoje em dia meu lema é misturar tudo.

    E naquele dia da viagem pro FISL, o meu avião também arremeteu.
    Foi uma semana de temporal em Porto Alegre. E também o período que eu mais senti frio em POA.

    Papo muito divertido, obrigado por resgatar essa relíquia.

  • João Júnior

    Muito boa essas histórias. A comunidade Python de Minas e a PythonBrasil em BH começou justamente em uma conversa que eu e o Cássio tivemos com você. Na época tinhamos exatamente esse mimimi que vocês falaram:”Bh não tem evento, o pessoal não anima ir para o dojo”. Aí você disse: “O mineiro não gosta de bar? Chama a galera para o bar, depois vocês resolvem algo de evento”. Esse ano esta aí o resultado, comunidade forte e Pybr em BH!