Oportunidade ou distração?

Existem muitas coisas possíveis. O mundo tem infinitas questões que podem melhorar. Algumas gerais, muitas específicas. Todo dia percebo várias. Mas a grande maioria não é oportunidade pra mim.

Pra mim, a possibilidade de fazer algo que eu não desejo chamo de distração.

O desejo é algo intrínseco, vem de dentro e você não consegue explicar a priori. Tem relação direta com a sua vida, suas buscas etc. Desejo não é meramente vontade. Nem muito menos óbvio. Não é algo que você “quer”, é algo que te puxa.

Então oportunidade é a possibilidade de realizar o desejo.

E com tanto ruído no mundo, com tanta propaganda, com tanto medo, incerteza e dúvida que atacam nossas mentes com a ideia de “perder tudo” ou a ideia de “ficar de fora da próxima onda”, a habilidade mais importante de quem deseja realizar os seus desejos é dizer não. Dizer não para as distrações.

Por isso eu separo agressivamente oportunidades de possibilidades. Só assim consigo criar espaço e tempo para iterar na busca do que desejo. Esse é o grande papel do não.

A atenção para a distração acontece se houver necessidade. Algo extrínseco, uma força maior, uma exceção. E faço isso para poder chegar ao dia seguinte e continuar trabalhando nas oportunidades que podem levar à realização do desejo. Aqui vale ressaltar que medo é intrínseco, por mais que muitas vezes pareça extrínseco.

Jogando com esses 5 conceitos (desejo, possibilidade, oportunidade, distração e necessidade) eu exercito a organização das minhas ideias. Quando consigo fazer isso de forma satisfatória, acontece muito aquela sensação de “não ter escolha”, pois fica nítido o que precisa ser feito.

[]’s, HB!

  • Simplesmente excelente!! Com certeza fará parte do meu exercício de aprender a dizer não.

  • Daniel Lins

    Muito bom Henrique! Esse deve ser um exercício diária (E não é trivial). =)

    • Sim, é diário. E sempre rola umas recaídas. O lance é se conhecer e voltar pro eixo novamente. 🙂

  • Hudson

    Sensacional e sábias palavras

  • Boa Henrique, concordo com vc. É realmente difícil sacar a diferença e se manter focado naquilo que importa. Mas com a experiência e os exemplos vamos aprendendo o verdadeiro sentido!

    • Exato. Experiência é importante. Descobrir o que te importa exige tempo, reflexão e auto-conhecimento. Pra mim o caminho é “pra dentro e pra frente”. 😉

  • Sassa Oliveira Vicente

    excelente, separar necessidade de deseja filtrando oque distração é algo realmente difícil ,
    estou na fase em que preciso fazer oque é necessário (para me manter) para poder fazer oque desejo (abraçar o mundo é impossível) e me pego em varias distração no caminho preciso melhorar isso, mas seu texto me fez refletir, sempre faz, é preciso ter iniciativa para pra dizer não.

    • É… por alguma razão a gente tem uma certa dificuldade de dizer não. Pra mim já foi mais difícil. Hj já entendo q é necessário. Mas é um limite dinâmico. 😀

  • Paulo de Almeida

    Henrique, minha cabeça acaba de explodir!! Ainda mais no meu momento empreendedor e prestes a pedir demissão. Ganhei mais um folego para planejar bem o proximo passo, mas sem perder o foco. Muito obrigado!

    • Maneiro, @paulo_de_almeida:disqus! Força e foco! Depois conta o que vc aprontar. 😉

  • Parabéns pelo artigo.

  • Pingback: Os ciclos da vida e o amadurecimento involuntário – Aprendendo Python()

  • Pingback: Em busca da verdade - Felipe Pavão()

  • Jan Palach

    Um trecho me fez refletir muito: “E com tanto ruído no mundo, com tanta propaganda, com tanto medo, incerteza e dúvida que atacam nossas mentes com a ideia de “perder tudo” ou a ideia de “ficar de fora da próxima onda”, a habilidade mais importante de quem deseja realizar os seus desejos é dizer não. Dizer não para as distrações.”

    Pura verdade.

    • Massa, Jan!

      Aprendi ao longo do tempo que não se trata de “questionar” ou “brigar” com a fonte do ruído. Sim, as vezes vc manda um “cala a boca”, mas a autonomia mora na habilidade de nós mesmos ajustarmos nossos “receptores” na frequência que desejamos.

  • Gabriel Tondin

    Great words!

  • Gpzim Pacheco

    Mto bom, o que nos falta na maioria das vezes é a capacidade de dizer não seletivamente.

    • É verdade! Eu noto que a dificuldade geralmente bate quando tentamos balizar a decisão por uma análise apenas/principalmente por fatores externos, ignorando as questões internas.

      É como se no fundo estivéssemos sempre nos comparando com os outros e nunca nos comparando com uma versão anterior de nós mesmos.

  • erichideki
  • Jonatas C. D.

    aprendi há algum tempo que, diante de uma situação, você precisa ponderar na seguinte ordem de prioridade:
    – visão de vida
    – é uma oportunidade
    – é uma necessidade

    sempre analise primeiro como se enquadra na sua visão.
    se você embarca por ser apenas uma oportunidade ou por ser necessidade, não durará muito até que você se desinteresse.
    mas se tudo começa da intercessão da situação com sua visão de vida, eu diria, é o primeiro passo pra algo durador.

    abs

    PS:
    pra mim isso não se opõe, por exemplo, a ser desafiado. uma oportunidade ou a necessidade podem até desafiar seus paradigmas, mas pra cada coisa que nos encara e nos confronta, ao meu ver, é preciso ser um pouco epistemológico.
    como adquirimos conhecimento? adicionamos novas informações a partir de algo que sabemos, ou melhor, a cada iteração adicionamos mais informação.
    O desafio, nesse caso, é encontrar algum ponto de contato com o que já temos e, assim, não estagnarmos.

    • Boa! Sim, o desafio não se opõe. Pra mim, desafio existe sempre onde há risco. E quando se é protagonista da própria vida, há riscos em todos os lugares. E aqui vale ressaltar que, por sua, vez, risco é risco, não é ameaça. 😉

  • Henrique, esse teu texto veio em um momento muito oportuno. Parabéns pelos insights.

    • Legal! Suponho q essa seja uma questão relevante p/ todas as pessoas que empreendem e desejam empreender. Em algum momento a gente bate cabeça com distrações. Por isso acho importante compartilhar as sacadas e o processo. 😉

      • Que cada vez mais pessoas sigam compartilhando suas sacadas! Óbvio que não existe fórmula mágica, mas seguir e adaptar bons exemplos já é muito mais do que partir do zero. Obrigado mais uma vez!

      • Sim. Exemplos sempre ajudam, principalmente como fonte de inspiração. É parte da prática: http://smallactsmanifesto.org

  • Kleber Soares

    Boa Henrique, é algo difícil de realizar, mas quando vamos exercitando, chegamos lá.

    • Isso! Não temos controle dos resultados, mas da decisão de realizar o exercício. 😉

  • Boa! Valeu 😉

  • matheusml

    Excelente post!