Estaríamos todos cansados?

0

O Thiago Vieira é um amigo com quem sempre converso sobre autonomia e os desafios de esculpir a vida que se deseja em meio a um mundo cheio de ruídos e interrupções.

Esses dias, ele me mandou um texto massa e assim que eu terminei de ler, pensei: eu preciso ler esse texto mais algumas vezes! Resolvi publicá-lo aqui no blog e compartilhar com você para que a gente possa interagir e conversar mais sobre a Sociedade do Cansaço.

DICA: Vale a pena uma leitura atenta, sem pressa e refletindo sobre as ideias.

Para evitar distrações e spoilers, eu faço meu comentário após os texto. 😉


Autor: Rômulo de Andrade Moreira – Procurador de Justiça no Ministério Público do Estado da Bahia e Professor de Direito Processual Penal na Faculdade de Direito da Universidade Salvador – UNIFACS

Byung-Chul Han é um homem notável.

Nascido na Coreia, mudou-se para a Alemanha e estudou Filosofia na Universidade de Friburgo. Mais tarde, já em Munique, estudou e aprendeu literatura alemã e teologia.

Profundo conhecedor da obra de Heidegger, doutorou-se em 1994, em Friburgo, com uma tese sobre o filósofo alemão. Hoje é Professor de Filosofia e Estudos Culturais na Universidade de Berlim. Tem várias obras sobre a sociedade e o ser humano.

Uma delas, publicada no Brasil pela Editora Vozes, em 2015, leva o nome de “Sociedade do Cansaço” (em alemão, “Müdigkeitsgesellschaft”) e trata de uma questão absolutamente atual e contemporânea: a grande tragédia de se viver no mundo de hoje.

Desde uma visão patológica, como prefere o filósofo, este século, ao contrário de outros anteriores, “não é definido como bacteriológico nem viral, mas neuronal.” A doença do século é outra, talvez mais difícil de diagnóstico e, sobretudo, de tratamento. A cura, quase impossível.

As doenças, hoje, são de natureza “neuronal”, tais como “a depressão, o transtorno de déficit de atenção com síndrome de hiperatividade (Tdah), transtorno de personalidade limítrofe (TPL) ou a síndrome de Burnout (SB).

Tais doenças, por não serem fruto de uma “negatividade”, antes pelo contrário, causadas pelo “excesso de positividade”, escapam de “qualquer técnica imunológica.” Não são infecções, como outrora, mas “enfartos.”

Estes “adoecimentos neuronais do século XXI” são “estados patológicos devidos a um exagero de positividade.” Assim, “o esgotamento, a exaustão e o sufocamento frente à demasia são reações imunológicas”, verdadeiramente “manifestações de uma violência neuronal, que não é viral.”

Han, lembrando o genial Foucault, lembra que a “sociedade disciplinar” do filósofo francês, “feita de asilos, presídios, quartéis e fábricas”, transformou-se em uma outra sociedade, “a saber, uma sociedade de academias de fitness, prédios de escritórios, bancos, aeroportos, shopping centers e laboratórios de genética.” Uma “sociedade de desempenho”, cujos habitantes não são os outrora obedientes, “mas sujeitos de desempenho e produção, empresários de si mesmos.

Enquanto a sociedade disciplinar gerava “loucos e delinquentes”, esta, ao contrário, “produz depressivos e fracassados”, onde o que prevalece é “o desejo de maximizar a produção”, substituindo-se o “paradigma da disciplina” pelo “paradigma do desempenho.” Assim, ele identifica “o imperativo do desempenho como um novo mandato da sociedade pós-moderna do trabalho.

Na sociedade disciplinar, cujo inconsciente social baseava-se no dever, o homem é “o sujeito da obediência.” Hoje, na sociedade de desempenho, cujo inconsciente social é “o desejo de maximizar a produção”, o homem passou a ser “o sujeito de desempenho, mais rápido e mais produtivo.” O homem passa a ser um “animal laborans”, preso a uma verdadeira “auto exploração” agudizada pelo “excesso de trabalho e desempenho.” É “hiperativo e hiperneurótico.” A mulher também.

E essa auto exploração é mais cruel que a de outrem, “pois caminha de mãos dadas com o sentimento de liberdade”, onde o “explorador é ao mesmo tempo o explorado.” Eis, então, o paradoxo: o que é aparentemente uma manifestação da liberdade humana, torna-se causa de manifestações patológicas as mais diversas. Portanto, “os adoecimentos psíquicos da sociedade de desempenho são precisamente as manifestações patológicas dessa liberdade paradoxal”, pois “a sociedade do trabalho e a sociedade do desempenho não são uma sociedade livre”, já que “o próprio senhor se transformou num escravo do trabalho”, “cada um carregando consigo seu campo de trabalho.” Somos todos, e a um só tempo, “prisioneiro e vigia, vítima e agressor, explorando-nos a nós mesmos.” Vive-se hoje “num mundo muito pobre de interrupções, pobre de entremeios e tempos intermédios.”

É exatamente nesta passagem de uma sociedade para outra que Alain Ehrenberg – sociólogo francês citado no livro – localiza a depressão, exatamente no fato de que agora o homem depressivo “não está cheio, no limite, mas está esgotado pelo esforço de ter de ser ele mesmo.” A depressão seria, então, “a expressão patológica do fracasso do homem pós-moderno em ser ele mesmo.”

Neste aspecto, Han vai mais além do que Ehrenberg, para caracterizar a depressão como um reflexo da “carência de vínculos”, própria da “violência sistêmica inerente à sociedade de desempenho que produz ´infartos psíquicos`.

Para Han, o que passa desapercebido no pensamento do sociólogo francês é entender o fenômeno da depressão apenas como uma resultante da “pressão do desempenho”, razão pela qual doenças como a Síndrome de Burnout “não expressa o si-mesmo esgotado, mas antes a alma consumida.

A depressão surge, precisamente, “no momento em que o sujeito de desempenho não pode mais poder. A lamúria do indivíduo depressivo de que nada é possível só se torna possível numa sociedade que crê que nada é impossível.”

Segundo o diagnóstico de Han, “a depressão é o adoecimento de uma sociedade que sofre sob o excesso de positividade. Reflete aquela humanidade que está em guerra consigo mesma.” Assim, o homem depressivo “explora a si mesmo”, transformando-se em “agressor e vítima ao mesmo tempo.” Ele encontra-se “em guerra consigo mesmo”, tornando-se “o inválido dessa guerra internalizada.

No capítulo terceiro, que ele intitula “O Tédio Profundo”, Han refere-se ao que ele chama de “multitarefa”, como a “crescente sobrecarga de trabalho”, aliada a um “excesso de estímulos, informações e impulsos”, responsáveis pela fragmentação e destruição da atenção.

A multitarefa, muito ao contrário do que poderia parecer, não é uma evolução da natureza e da sociedade humanas, mas se trata “de um retrocesso”, pois “está amplamente disseminada entre os animais em estado selvagem”, sendo “uma técnica de atenção, indispensável para sobreviver na vida selvagem.

Para comprovar a sua tese de que, em verdade, a multitarefa representa uma involução, um retrocesso, que aproxima “cada vez mais a sociedade humana da vida selvagem”, exemplifica:

Um animal ocupado no exercício da mastigação de sua comida tem de ocupar-se ao mesmo tempo também com outras atividades. Deve cuidar para que, ao comer, ele próprio não acabe comido. Ao mesmo tempo tem de vigiar sua prole e manter o olho em seu (sua) parceiro (a). Na vida selvagem, o animal está obrigado a dividir sua atenção em diversas atividades. Por isso, não é capaz de aprofundamento contemplativo – nem no comer nem no copular. O animal não pode mergulhar contemplativamente no que tem diante de si, pois tem de elaborar ao mesmo tempo o que tem atrás de si.

É justamente esta falta de oportunidade para o existir contemplativo que carece a humanidade. A atenção profunda, “contemplativa” é indispensável para “os desempenhos culturais da humanidade, dos quais faz parte também a filosofia.

Ao contrário dessa atenção profunda, o que se tem hoje é uma “hiperatenção”, “dispersa”, caracterizada “por uma rápida mudança de foco entre diversas atividades, fontes informativas e processos”, não dando espaço para “aquele tédio profundo que não deixa de ser importante para um processo criativo.”

Aqui o autor lembra o escritor e filósofo alemão Walter Benjamin, para quem aquele “tédio profundo” seria como “um pássaro onírico, que choca o ovo da experiência”, cada vez mais desaparecido da modernidade.

O tédio profundo estaria para o descanso espiritual assim como o sono está para o descanso físico. Ambos, o sono e o tédio profundo, perfazem, respectivamente, o ponto alto do descanso do corpo e do espírito. A inquietação, além de não gerar “nada de novo”, apenas “reproduz e acelera o já existente.”

Lembra, então, Paul Cézanne, famoso pintor francês e “um mestre da atenção profunda, contemplativa”, que dizia poder “ver inclusive o perfume das coisas. Essa visualização do perfume exige uma atenção profunda.”

Citando textualmente Nietzsche, Han lembra que “por falta de repouso, nossa civilização caminha para uma nova barbárie. Em nenhuma outra época os ativos, isto é, os inquietos, valeram tanto”, motivo pelo qual é preciso que “a humanidade fortaleça em grande medida o elemento contemplativo”, pois “só a vida contemplativa é que torna o homem naquilo que ele deve ser.”

Ademais, esta “vida contemplativa pressupõe uma pedagogia específica do ver”, ou seja, “capacitar o olho a uma atenção profunda e contemplativa, a um olhar demorado e lento”, pois “é uma ilusão acreditar que quanto mais ativos nos tornamos tanto mais livres seríamos.

Neste sentido, o filósofo afirma a burrice do computador, “apesar de todo o seu desempenho computacional, na medida em que lhe falta a capacidade para hesitar.”

O autor aproveita para fazer uma distinção entre a mera irritação – própria da sociedade de hoje – e a ira, “que não se coaduna com a aceleração geral e com a hiperatividade”, pressupondo, ao contrário da irritação, “uma pausa interruptora no presente.

A hiperatividade “não admite nenhuma folga temporal”, gerando “a dispersão geral que marca a sociedade de hoje”, não permitindo, por conseguinte, “que surja a ênfase e a energia da ira.”

A ira, ao contrário da irritação ou da enervação, “é uma capacidade que está em condições de interromper um estado, e fazer com que se inicie um novo estado.” Ali – na irritação ou na enervação -, contrariamente, não há possibilidade de “produzir nenhuma mudança decisiva.”

No último capítulo, alerta o autor que “a sociedade do cansaço, enquanto uma sociedade ativa, desdobra-se lentamente numa sociedade do doping” que “possibilita de certo modo um desempenho sem desempenho”, transformando o homem e a mulher “em máquinas de desempenho, que podem funcionar livres de perturbação e maximizar seus desempenhos”, gerando “um cansaço e esgotamento excessivos” e levando “a um enfarto da alma.” Trata-se, ademais, de um cansaço “solitário, que atua individualizando e isolando.

Curtiu? Denso né? O texto me disparou várias reflexões que eu compartilho com você abaixo.

O artigo sugere que nós saímos de uma “sociedade disciplinar” para uma “sociedade do desempenho”.  E a pergunta que emerge é: como isso se deu?

Eu acredito que a tecnologia tem um grande papel nessa mudança. Hoje, a tecnologia nos permite muita coisa,  trabalho remoto, horários flexíveis, teleconferências e a vida cada vez mais assíncrona.

Mas essa mudança não vem de graça e exige preparo. Caso contrário, a vantagem de fazer seu horário e trabalhar em qualquer lugar, acaba por te deixar sem nenhum horário livre e trabalhando em todos os lugares.

O efeito profundo disso é que o antigo espaço para o tempo das coisas – durante a noite, durante o transporte e nos fins de semana, acabam enclausurados no tempo do relógio. Aquela leitura despretensiosa onde você eventualmente cochilava sobre o livro perde espaço para momentos cronometrados de leitura, afinal,  você precisa sustentar a sua meta de ler um livro por semana, mesmo que nunca bote nada do que leu em prática.

Nessa dinâmica,  trabalhar com o que você ama fazer torna-se uma necessidade, pois não há mais tempo para apenas trabalhar, nem para apenas amar.

O tesão tão necessário às ideias fecundas, passa a ser reprimido para se enquadrar no bloco de tempo pré-determinado na agenda. Nada mais esterilizante.

Mas porque será que nos comportamos dessa forma? Seria uma premeditação maquiavélica? Eu penso que não… Me parece mais um tenebroso limbo cultural.

O autor afirma que saímos de uma “lógica de obediência” e mergulhamos na “lógica do desempenho” embriagados pelo desejo de “maximizar a produção”.

Pode parecer (e até ser) um detalhe de linguagem, mas a expressão “maximização da produção” me soa como um grande bode expiatório. Ela de fato se manifesta, mas me parece um efeito colateral esquizofrênico.

Veja o exemplo da educação: Uma família gasta uma fortuna na educação de um filho para este ser doutrinado a reproduzir respostas prontas. Tudo isso para quando o jovem atingir sua idade produtiva, encontrar um ambiente onde, quem diria, espera-se dele a construção da pergunta adequada.

É uma colisão do velho com o novo, e o efeito do desentendimento é o foco em “maximizar a produção”. O problema é que existe um ponto da curva onde“maximizar a produção”  torna-se contraproducente.

É o discurso da quantidade sem qualidade!

É o empresário que se orgulha de faturar muitos milhões, mesmo que o negócio nunca tenha tido resultado efetivo.

É o programador que executa prontamente as demandas, sem nunca desconfiar que seu trabalho não está resolvendo o problema do cliente.

É o colecionador de diplomas que não consegue resolver os problemas práticos que a sociedade espera dos seus títulos.

É o pai de família que se orgulha do sacrifício para dar tudo aos seus filhos, mas é incapaz de conceder sua atenção irrestrita quando a criança, pela milésima vez, o chama para ver o chafariz do restaurante.

Existe um elemento comum entre o padrão da obediência e o padrão do desempenho: a falta de consciência sobre o que se faz, e principalmente sobre porque se faz.

A busca deve ser por fazer melhor, no seu contexto, com os seus critérios, sem desperdício, gerando mais luz e menos calor. Mas pra isso não dá pra correr atrás do sucesso. É preciso consciência e atitude pra construir sua própria definição de sucesso.

Desenvolver essa consciência e manifestar uma atitude ativa perante a vida, é a proposta da autonomia.

A pegadinha é que esse é um processo necessariamente determinado pelo tempo das coisas e não pelo tempo do relógio. Por isso, parte do trabalho é se organizar para usar o tempo do relógio a seu favor dando espaço para as atividades governadas pelo tempo das coisas.

É um desafio de autoeducação, desconstrução e elaboração.

Certa vez ouvi dizer que perguntaram ao Michelangelo como ele conseguiu esculpir o David. Ele disse que a escultura já estava no bloco de mármore bruto, ele precisou apenas tirar os excessos para realçar o que importava.

O desafio da autonomia também é assim. É a jornada pela qual a gente amadurece a visão de quem somos e vamos perdendo os excessos para realçar o que nos importa.

Imagem via: neilstrauss.com

E aê, o que você achou dessa reflexão? 

Escreve seu comentário abaixo e vamos trocar ideias sobre isso!

 

você pode gostar também