Autonomia & Tecnologia

Ainda Somos Tão Jovens

36

O filme “Somos Tão Jovens” retrata o processo do Renato virar Russo, com todos os seus dilemas e complexidades. Gostei tanto do filme que decidi escrever este artigo.

Como entendedor de cinema, eu sou um ótimo jogador de purrinha. Então vou me limitar às reflexões que o filme me provocou.

“Deve ser difícil viver na sua cabeça.”

Essa é uma frase que costumo ouvir bastante em casa quando converso sobre minhas ideias e visões “incomuns”.

Então se você é dessas pessoas que tem a mente agitada, assistir ao filme vai lhe proporcionar uma certa paz, pois devia ser ainda mais difícil viver na cabeça do Renato Russo.

Brincadeiras à parte, as tensões de se lançar em busca da percepção do que se deseja ficam muito bem retratadas no filme. O ator consegue transmitir com muita sensibilidade as ondas de tédio, dúvidas e os impulsos que motivam ações incompreendidas, mas muito necessárias.

Singularidade

Como diria Sílvio Meira, o futuro vem do futuro.

Quem diria que de um grupo de adolescentes que não tinham mais o que fazer surgiriam diversas bandas que trilhariam o caminho que hoje conhecemos?

Ninguém! O sucesso como instituído e vendido socialmente é improvável, por isso é tão importante construir sua própria definição de sucesso.

É muito interessante a trajetória caótica de sucessivos nascimentos, mortes e ressurreições de bandas.

Esse grau de liberdade é importante para que se continue fazendo, tentando, mesmo com o desconforto de não compreender antecipadamente o que se faz.

Em uma cena em especial, os integrantes do Legião Urbana estão discutindo: “e se não der certo?”; E o Renato afirma: “Eu não quero nem pensar em alternativa.”

Essa é a virada de chave. Uma decisão a despeito das circunstâncias.

O Nativo e o Outsider

O filme tem muitas cenas interessantes que retratam “maluquices” cotidianas.

Todos temos as nossas. Mas quando expostas ao social, a reação padrão é de estranheza seguida pelo julgamento: “Esse cara é maluco”.

Atitudes como perder um show para meditar sobre a morte do John Lennon porque a Yoko Ono pediu.

Julgar o que não se compreende está na raiz da intolerância. O outsider, que não compreende o comportamento e as motivações do nativo, julga, deixando de reconhecer o outro como alguém, e o reduzindo à alguma coisa.

O remédio para este comportamento é a “observação participativa”, um conceito antropológico que enfatiza: observar sem interagir não proporciona compreensão.

Julgar sem compreender nos leva a ignorar que é possível haver sentido, por mais que não se perceba lógica.

Em algum momento a gente esqueceu que sentido vem de sentir e não de racionalizar. O resultado desse esquecimento? Um monte de outsiders julgando nativos e divulgando seus veredictos vazios no Facebook, sem compreender que de alguma forma, todos somos nativos e outsiders em diferentes situações.

Homofobia

Como mencionado pelo Pablo Villaça, o filme demonstra covardia ao abordar os dilemas sexuais do protagonista.

O filme já vinha tratando do tema sexualidade, até que Renato conhece Carlinhos e se segue uma cena bonita e muito humana, retratando duas pessoas se conhecendo e se reconhecendo.

Mas uma parte da platéia pareceu não estar vendo o mesmo filme que eu. Logo quando os personagens se conhecem, a platéia reage em coro com murmurinhos e risos.

Me senti extremamente constrangido, ofendido e em seguida, profundamente triste.

Acho que aprendi o que é homofobia. A homofobia velada. É uma coisa mínima, uma sutileza que passa despercebida, mas que ofende profundamente e não permite defesa.

Fiquei triste ao constatar que a homofobia e as demais fobias sociais, não se resumem a intolerância. Mais do que intolerância, há uma incapacidade de apreciação das diferenças. As pessoas estão incapazes de reconhecer o afeto, o amor, a humanidade na relação entre duas pessoas quaisquer.

Quanto tempo são 30 anos?

Pra mim, que tenho essa idade, é tudo. Mas parece que culturalmente 30 anos são 30 segundos.

A contemporaneidade das letras do Renato Russo é assustadora. Aquelas músicas poderiam ter sido escritas hoje pela manhã.

Saí do cinema com a sensação de que não se passaram 30 anos no Brasil. Ainda nos falta sensibilidade para nos reconhecermos uns nos outros. Essa falta de empatia, consequentemente, gera falta de engajamento para fazermos as mudanças por nós mesmos.

Ainda não conseguimos ler além do que está literalmente escrito, nem ver além do que está explícito na cena. Precisamos de óculos melhores para lermos as entrelinhas das questões, das notícias, das inúmeras distrações que nos empurram para a ignorância.

Não, isso não é uma reclamação. É um ato de conscientização. Um lembrete de que ainda tem chão pela frente. De que ainda não estamos onde queremos. Ao menos eu ainda não estou.

você pode gostar também
  • Henrique, Parabéns! excelente o seu texto! Toda a reflexão me marcaram bastante e notei semelhanças com o que penso. É bom ver que outras pessoas de algum modo sentem o mundo e as coisas de forma parecida ou até de forma mais inteligente 🙂 Na área de tecnologia as pessoas geralmente não se mostram tão reflexivas sobre assuntos sociais, bom encontrar alguém que também faz isso. Agrada mais ainda que seja da comunidade Python 🙂

    Destaco as seguintes frases que achei muito legal e sintetizam bem o que expõe:

    “O sucesso como instituído e vendido socialmente é improvável, por isso é tão importante construir sua própria definição de sucesso.”

    “Julgar o que não se compreende está na raiz da intolerância”

    “Fiquei triste ao constatar que a homofobia e as demais fobias sociais, não se resumem a intolerância. Mais do que intolerância, há uma incapacidade de apreciação das diferenças.”

    Assisti hoje a noite uma palestra sua no RuPy e resolvi conferir novamente seu blog e acabei chegando a este texto. Por essas duas coisas, percebi que é um cara muito bacana e inteligente! Sou sua fã e parabéns por sua forma de pensar e colaborar 🙂

  • Lidy Monteiro

    Henrique, Parabéns! excelente o seu texto! Toda a reflexão me marcaram bastante e notei semelhanças com o que penso. É bom ver que outras pessoas de algum modo sentem o mundo e as coisas de forma parecida ou até de forma mais inteligente 🙂 Na área de tecnologia as pessoas geralmente não se mostram tão reflexivas sobre assuntos sociais, bom encontrar alguém que também faz isso. Agrada mais ainda que seja da comunidade Python 🙂

    Destaco as seguintes frases que achei muito legal e sintetizam bem o que expõe:

    “O sucesso como instituído e vendido socialmente é improvável, por isso é tão importante construir sua própria definição de sucesso.”

    “Julgar o que não se compreende está na raiz da intolerância”

    “Fiquei triste ao constatar que a homofobia e as demais fobias sociais, não se resumem a intolerância. Mais do que intolerância, há uma incapacidade de apreciação das diferenças.”

    Assisti hoje a noite uma palestra sua no RuPy e resolvi conferir novamente seu blog e acabei chegando a este texto. Por essas duas coisas, percebi que é um cara muito bacana e inteligente! Sou sua fã e parabéns por sua forma de pensar e colaborar 🙂

  • “por isso é tão importante construir sua própria definição de sucesso”: Essa é uma tarefa bem difícil de se realizar, tento fazer isso até hoje.

  • Bruno Nardini

    “por isso é tão importante construir sua própria definição de sucesso”: Essa é uma tarefa bem difícil de se realizar, tento fazer isso até hoje.

  • Belo texto Henrique, reflexões muito relevantes em tempos difíceis em que vivemos.

    Valeu.

  • Belo texto Henrique, reflexões muito relevantes em tempos difíceis em que vivemos.

    Valeu.

  • Anna Cruz

    Ainda não vi o filme, mas linda a sua reflexão sobre todo o tema.

    Principalmente o reconhecimento da homofobia velada (que é a mais dificil de ser vislumbrada pra quem não é homossexual).

    Parabéns pela reflexão Henrique.

  • Anna Cruz

    Ainda não vi o filme, mas linda a sua reflexão sobre todo o tema.

    Principalmente o reconhecimento da homofobia velada (que é a mais dificil de ser vislumbrada pra quem não é homossexual).

    Parabéns pela reflexão Henrique.

  • São muitos que ouvem melodias e decoram letras, mas não compreendem a música e muito menos que a criou. Parabéns pelo excelente texto, Henrique.

  • São muitos que ouvem melodias e decoram letras, mas não compreendem a música e muito menos que a criou. Parabéns pelo excelente texto, Henrique.

  • lucabastos

    Eu continuo fã deste meu primo. Adoro quando venho aqui. Parabéns!

  • lucabastos

    Eu continuo fã deste meu primo. Adoro quando venho aqui. Parabéns!

  • Henrique,

    Parabéns pelo texto, ele nos obriga a refletir e acordar pro mundo que temos hoje – pra mim também parece que ele está parado para as coisas que realmente importa.

    Tecnicamente, evoluímos muito e muito rápido – mas do lado que importa, as pessoas estão cada vez mais isoladas nos seus smartphones, no seus trabalhos que só servem para pagar as eternas contas no fim do mês.

    Acho que só existe uma cura pra isso, mas infelizmente, talvez estejamos mais longe dela do que da cura das principais doenças que nos aflingem hoje.

    “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar pra pensar, na verdade não há”.

    Pra ajudar nessa reflexão:

    https://www.youtube.com/watch?v=E6vFYSVjRdc

    Valeu !

  • Henrique,

    Parabéns pelo texto, ele nos obriga a refletir e acordar pro mundo que temos hoje – pra mim também parece que ele está parado para as coisas que realmente importa.

    Tecnicamente, evoluímos muito e muito rápido – mas do lado que importa, as pessoas estão cada vez mais isoladas nos seus smartphones, no seus trabalhos que só servem para pagar as eternas contas no fim do mês.

    Acho que só existe uma cura pra isso, mas infelizmente, talvez estejamos mais longe dela do que da cura das principais doenças que nos aflingem hoje.

    “É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar pra pensar, na verdade não há”.

    Pra ajudar nessa reflexão:

    https://www.youtube.com/watch?v=E6vFYSVjRdc

    Valeu !

  • Rafael Giuliano

    Prezado Henrique,
    Fui presenteado esta noite com a dica do link para seu texto por um grande amigo.
    Mais do que a conveniência de compartilhar muitas das suas ideias, o que deixa feliz é sua proposta de provocar consciência e o conceito de apreço sobre a diferença que, de fato, distingue-se desta pretensa tolerância, que gera ainda mais preconceito velado,
    Parabéns pela clareza com que compartilha sua reflexão!

    Com apreço,
    Rafael Giuliano

    • Obrigado, Rafael.

      Essa percepção do “apreço pela diferença” é recente, mas muito poderosa. Sai de uma lógica imperialista da civilização e vai em direção a lógica do cuidado.

      Dê uma olhada na Ética do Cuidado: http://www.youtube.com/watch?v=5nivihNqbXk

  • Rafael Giuliano

    Prezado Henrique,
    Fui presenteado esta noite com a dica do link para seu texto por um grande amigo.
    Mais do que a conveniência de compartilhar muitas das suas ideias, o que deixa feliz é sua proposta de provocar consciência e o conceito de apreço sobre a diferença que, de fato, distingue-se desta pretensa tolerância, que gera ainda mais preconceito velado,
    Parabéns pela clareza com que compartilha sua reflexão!

    Com apreço,
    Rafael Giuliano

    • Obrigado, Rafael.

      Essa percepção do “apreço pela diferença” é recente, mas muito poderosa. Sai de uma lógica imperialista da civilização e vai em direção a lógica do cuidado.

      Dê uma olhada na Ética do Cuidado: http://www.youtube.com/watch?v=5nivihNqbXk

  • Odilon Alves de Oliveira

    Bravo! Muito relevante, espero ver outros post’s assim.. Paz.

  • Odilon Alves de Oliveira

    Bravo! Muito relevante, espero ver outros post’s assim.. Paz.

  • Ivens

    Ótimo post, extremamente bem escrito e com conteúdo classe A… Compartilho de suas opiniões!

  • Ótimo post, extremamente bem escrito e com conteúdo classe A… Compartilho de suas opiniões!

  • Fico muito feliz de ver esse tipo de reflexão chegando à meios incomuns, ao lado de um artigo técnico sobre internacionalização. É onde não temos certeza da aceitação que mais devemos levantar as bandeiras do que acreditamos. É na mesa de bar cheia de homens ou num site de tecnologia que mais precisamos dizer: eu respeito, aceito e respeito todas as opções de sexualidade e gênero. “Tudo bem o cara ser gay longe de mim”? Só se ele não for um cara maneiro. Se ele for, quero ele — e possivelmente o namorado — na minha casa tomando cerveja comigo e com minha mulher.

    • Rômulo, por muito tempo esse blog se restringiu a tecnologia, mas agora está evoluindo para algo mais pessoal e dialético.
      A ideia não é só postar sobre o que me interessa, mas me comunicar, em mão dupla, com quem quer que leia o que publico aqui. 🙂

  • Fico muito feliz de ver esse tipo de reflexão chegando à meios incomuns, ao lado de um artigo técnico sobre internacionalização. É onde não temos certeza da aceitação que mais devemos levantar as bandeiras do que acreditamos. É na mesa de bar cheia de homens ou num site de tecnologia que mais precisamos dizer: eu respeito, aceito e respeito todas as opções de sexualidade e gênero. “Tudo bem o cara ser gay longe de mim”? Só se ele não for um cara maneiro. Se ele for, quero ele — e possivelmente o namorado — na minha casa tomando cerveja comigo e com minha mulher.

    • Rômulo, por muito tempo esse blog se restringiu a tecnologia, mas agora está evoluindo para algo mais pessoal e dialético.
      A ideia não é só postar sobre o que me interessa, mas me comunicar, em mão dupla, com quem quer que leia o que publico aqui. 🙂

  • Daniel Wildt

    Clap clap! Baita reflexão!

  • Daniel Wildt

    Clap clap! Baita reflexão!

  • Daniel Wildt

    Clap clap! Baita reflexão!